Só o que interessa no Direito

Orientação para concursos públicos.

Thursday

15

June 2017

Saiba o que é Relicitação - Lei nº 13.558/2017

by Fabio Rodrigues de Carvalho

Lei 13.448/2017

Prorrogação e relicitação dos contratos de parceria definidos nos termos da Lei nº 13.334/2016 - nos setores rodoviário, ferroviário e aeroportuário da administração pública federal.

PPI-Sobre a possibilidade de prorrogação ou de relicitação dos contratos de concessões de rodovias, ferrovias e de aeroportos federais que tenham sido definidos pelo Programa de Parcerias de Investimentos – PPI (Lei nº 13.334/2016).

Prorrogação -Consiste na extensão do prazo dos contratos de parceria. Isso pode ocorrer de duas formas:

1- Prorrogação contratual: alteração do prazo de vigência do contrato de parceria realizada em razão do término da vigência do ajuste;

2- Prorrogação antecipada: alteração do prazo de vigência do contrato de parceria antes do término da vigência do ajuste.

Obs: as prorrogações aplicam-se apenas aos contratos relacionados com rodovias e ferrovias (aeroportos não).

Relicitação- O Governo percebeu que algumas concessionárias que celebraram contratos de parceria nos setores rodoviário, ferroviário e aeroportuário não estavam conseguindo cumprir suas obrigações.

Obs: Diante disso, abriu-se a possibilidade de haver um desfazimento consensual desses contratos com a imediata assunção de novas empresas, escolhidas mediante licitação.

Tem-se aí a previsão do instituto da relicitação.

Relicitação- é, portanto, a extinção amigável do contrato de parceria (Lei nº 13.334/2016) e a celebração de novo ajuste negocial para o empreendimento, em novas condições contratuais e com novos contratados, mediante licitação promovida para esse fim.

Lei nº 13.448/2017 - autorizou que a União faça a relicitação dos contratos de concessão dos setores rodoviário, ferroviário e aeroportuário nos casos em que a concessionária esteja com dificuldades de cumprir suas obrigações contratuais.

Art. 13. Com o objetivo de assegurar a continuidade da prestação dos serviços, o órgão ou a entidade competente poderá realizar, observadas as condições fixadas nesta Lei, a relicitação do objeto dos contratos de parceria nos setores rodoviário, ferroviário e aeroportuário cujas disposições contratuais não estejam sendo atendidas ou cujos contratados demonstrem incapacidade de adimplir as obrigações contratuais ou financeiras assumidas originalmente.

O concessionário que estiver em dificuldade de cumprir com as suas obrigações contratuais ou financeiras formula requerimento ao Poder Público solicitando a relicitação, devendo apresentar:

I - justificativas e elementos técnicos que demonstrem a necessidade e a conveniência da adoção do processo de relicitação, com as eventuais propostas de solução para as questões enfrentadas;

II - renúncia ao prazo para corrigir eventuais falhas e transgressões e para o enquadramento previsto no § 3º do art. 38 da Lei nº 8.987/95, caso seja posteriormente instaurado ou retomado o processo de caducidade;

III - declaração formal quanto à intenção de aderir, de maneira irrevogável e irretratável, ao processo de relicitação;

IV - renúncia expressa quanto à participação no novo certame ou no futuro contrato de parceria relicitado;

V - informações necessárias à realização do processo de relicitação, em especial as demonstrações relacionadas aos investimentos em bens reversíveis vinculados ao empreendimento e aos eventuais instrumentos de financiamento utilizados no contrato, bem como de todos os contratos em vigor de cessão de uso de áreas para fins comerciais e de prestação de serviços, nos espaços sob a titularidade do atual contratado.

O órgão ou entidade competente irá, então, avaliar a necessidade, a pertinência e a razoabilidade da instauração do processo de relicitação.

Indenização - A concessionária que terá o contrato extinto receberá uma indenização, a ser definida por meio de arbitragem ou outro mecanismo privado de resolução de conflitos admitido na legislação aplicável (art. 15, III, da Lei nº 13.448/2017).

Vantagem - Se o concessionário não está cumprindo as suas obrigações contratuais, o Poder Público concedente poderá extinguir o contrato sob o fundamento da caducidade (art. 38 da Lei nº 8.987/95).

Obs: Ocorre que a caducidade é mais desvantajosa para a concessionária.

C-Precatório - A eventual indenização que ela receba (em virtude dos investimentos feitos e não amortizados) será paga por meio de precatório.

R -Obs: A indenização ao concessionário será paga pelo novo contratado, nos termos e limites previstos no edital da relicitação.

C-A empresa poderá receber a pena de inabilitação de contratar com a Administração Pública.

R -A empresa não será punida com a inabilitação de contratar com a Administração Pública. A única restrição é que ela não poderá participar do certame licitatório da relicitação.

Remissão - As multas e as demais somas de natureza não tributária devidas pelo anterior contratado ao órgão ou à entidade competente deverão ser abatidas da indenização que ele irá receber (art. 15, § 2º).

Obs: Em outras palavras, as dívidas que a concessionária tiver com o Poder Público serão descontadas da indenização que ela receberá.

Fonte: Site Dizer o Direito (http://www.dizerodireito.com.br/2017/06/a-lei-134482017-e-o-instituto-da.html)